Que O Japão, como todos nós sabemos é um país com uma forte hegemonia étnica. E por muitos anos deixou de reconhecer a existência e, sem exagero, a grande contribuição cultural de um povo que ajudou a escrever, inclusive na própria pele a historia do pais. Estou falando de uma tribo indígena predominante no período Edo conhecida como Ainu アイヌ, que significa ”humanos”, em tradução literal.

As origens do povo Ainu não são claras, mas segundo Richard Siddle, professor da Universidade de Hokkaido que pesquisa o grupo indígena, uma cultura Ainu emergiu no norte do Japão por volta do século 13, e viviam entre a região Hokkaido (antiga ilha Ezo) e a ilha principal do Japão. A população Ainu ainda existe, e os números oficiais cotam 25 mil pessoas, com 17 mil vivendo no Japão. Por outro lado, acredita-se que somando ao todo, descendentes da sociedade japonesa e russa esse número pode chegar a 200 mil. Muitos deles migraram para Sakhalin, no Extremo Oriente russo.

Ainu e as Tattoos

O termo Ainu moderno para tatuagem é nuye que significa “esculpir” e, portanto, “tatuar” e “escrever”, ou mais literalmente, sinuye “esculpir-se”. O antigo termo para tatuagem era anchi-piri (anchi, “obsidiana”; piri, “corte”).

Acredita-se que todos os fenômenos naturais (incluindo flora, fauna e até objetos inanimados) tenham uma essência espiritual para os Ainu, e animais específicos (por exemplo, ursos marrons, orcas, corujas) eram homenageados em cerimônias e rituais. “Deidades espirituais” chamadas kamuy. Como na maioria das tribos, a influencia religiosa é predominante, e através dela vieram as expressões artísticas, uma delas tatuar o corpo com símbolos e significados deísta.

As tatuagens estavam presentes em diversos aspectos e momentos na vida da tribo, inclusive a tradição era praticamente um pre-requisito para casamentos e um tipo de carimbo no visto, para a vida após a morte.

Faça tatuagem como uma garota

A curiosidade mais contagiante é que para os Ainu, a tatuagem era exclusiva das mulheres, assim como a profissão de tatuadora. De acordo com relatos mitológicos, a tatuagem foi trazida à terra pela “mãe ancestral” do Ainu Okikurumi Turesh Machi, que era a irmã mais nova do deus criador Okikurumi. Muitas das tatattos eram feitas no rosto, na região da boca.

A tatuagem representava um costume ancestral derivado de uma ancestral comum feminina e continuou através dos séculos na linhagem matrilinear. Para a tribo, não é de estranhar que a posição do tatuador era costumeiramente realizada por avós ou tias maternas que eram chamadas de “Tias da Tatuagem” ou simplesmente “Mulheres de Tatuagem”.

Estado vs Tatuagem

Em várias épocas da história, as autoridades japonesas proibiram o uso de tatuagens pelos Ainu (e outros povos étnicos sob sua autoridade como os povos indígenas de Taiwan) na tentativa de deslocá-los de suas práticas culturais tradicionais e prepará-los para o subsequente processo de civilização. Já em 1799, durante o Período Edo, o Xogunato Ezo proibiu tatuagens: “Em relação às tatuagens de boatos, os que já foram feitos não podem ser ajudados, mas os que ainda não nasceram estão proibidos de serem tatuados”. Por meados de 1871, a Missão de Desenvolvimento de Hokkaido proclamou, “aqueles nascidos depois deste dia são estritamente proibidos de serem tatuados” porque o costume “era muito cruel”. E de acordo com um observador ocidental, a atitude japonesa em relação à tatuagem era necessariamente desaprovada em seu próprio sistema cultural, “a tatuagem era associada ao crime e à punição, enquanto a prática em si era considerada uma forma de mutilação corporal, que, em caso de infligir voluntariamente, era totalmente avessa às noções prevalecentes de conduta filial confucionista”.

Um relatório da década de 1880 descreve que os Ainu ficaram muito tristes e atormentados pela proibição da tatuagem: “Dizem que os deuses ficarão com raiva e que as mulheres não podem se casar a menos que sejam tatuadas. Eles são menos apáticos sobre isso do que sobre qualquer assunto, e repetem com frequência: “É parte de nossa religião”.

Ritual Ainu para tatuar

Os tradicionais instrumentos de tatuagem Ainu, chamados makiri, eram em forma de faca, e às vezes as bainhas e alças dessas ferramentas eram esculpidas com motivos zoomórfico e apotropaico. Antes do makiri com ponta de aço, eram usados ​​pontos de obsidiana afiados que eram enrolados com fibra, permitindo que apenas a ponta do ponto se projetasse para controlar a profundidade das incisões.

À medida que o corte se intensificava, o sangue era removido com um pano saturado em madeira de freixo quente ou anti-séptico de madeira de feno chamado nire.

A fuligem tomada com os dedos do fundo de uma chaleira era esfregada nas incisões, e a tatuadora cantava então um yukar ou parte de um poema épico que dizia: “Mesmo sem ela, ela é tão bonita. A tatuagem em volta dos lábios dela, como é brilhante. Isso só pode ser imaginado.” Depois, a tatuadora recitava uma espécie de feitiço ou fórmula mágica à medida que mais pigmento era colocado na pele:“ pas ci-yay, roski, roski, pas ren-ren”, significando “fuligem permanecer fechado, fuligem afundar, afundar .”

Tudo isso era um evento tradicional e muito importantes, onde cada elemento ao redor tinha um significado.

Tatuagem labial só para mulheres

As tatuagens labiais completas das mulheres foram significativas em relação às percepções Ainu da experiência de vida. Primeiro, acreditava-se que essas tatuagens afastavam os maus espíritos de entrarem no corpo pela da boca e causavam doença ou infelicidade. Em segundo lugar, as tatuagens nos lábios indicavam que uma mulher havia atingido a maturidade e estava pronta para o casamento. E finalmente, as tatuagens labiais asseguraram a vida da mulher após a morte no lugar de seus antepassados ​​falecidos.

Segundo Romyn Hitchcock, um etnólogo que trabalha para a Smithsonian Institution no final do século 19, a tatuagem Ainu era colocada sobre a pele em intervalos específicos, o processo às vezes se estendendo por vários anos: “Os rostos das mulheres são desfigurados pela tatuagem na boca, cujo estilo varia de acordo com a localidade. Jovens donzelas de seis ou sete anos têm um pequeno ponto no lábio superior. À medida que envelhecem, isso é gradualmente estendido até que uma faixa mais ou menos larga rodeia a boca e se estende em uma curva afilada em ambas as bochechas em direção aos ouvidos.” Naturalmente, a tatuadora encorajava sua cliente a permanecer imóvel durante a dolorosa provação, pois acreditava-se que o ritual prepararia a menina para o parto, uma vez que ela se tornasse uma noiva. A dor era grande para essas meninas e em cada sessão, havia um ou mais assistente que a segurava para que a tatuadora pudesse continuar seu trabalho.

Símbolos e significados da tatuagem Ainu

Além das tatuagens de lábios, no entanto, as mulheres Ainu usavam várias outras marcas de tatuagem em seus braços e mãos, geralmente consistindo em desenhos curvilíneos e geométricos. Esses desenhos eram iniciados no quinto ou sexto ano e tinham a intenção de proteger as jovens dos maus espíritos. Era feito um padrão de trança, consistindo de duas listras retilíneas trançadas lado a lado ligadas a um tema especial. Isso representa um tipo de faixa também usada para amarrar os mortos para o enterro.

Assim como as cordas funerárias, a estrutura trançada das cintas trançadas das mulheres, chamadas de upsor-kut, era incorporada a uma “magia” sobrenatural e poderosa, simbolizando não apenas a virtude da mulher, mas também sua “força da alma”.

Segundo as crenças Ainu, as esposas das divindades eram tatuadas de maneira similar às mulheres Ainu, de modo que quando demônios malignos as vissem, eles iriam confundi-las com as divindades e isso os afastariam.

Elementos de design eram colocados nas bordas em torno de cada abertura em vestes tradicionais (pescoço, braços, pernas, fechamento frontal e bainha) e todas as bordas tinham referentes simbólicos. Por exemplo, as fronteiras superiores representavam o Mundo Superior e os padrões colocados ali ofereciam proteção nessa direção; a bainha representava o submundo ou o mundo subaquático; e as partes do meio representavam o mundo habitado por humanos.

Muito do que era estampado nas vestimentas de homens e mulheres da tribo eram representados nas tatuagens, fechando o circulo de proteção e fé que eram praticamente um modo de vida dos Ainu.

Deixe uma resposta